Conteúdos

Pedra no rim, cálculo ou litíase renal

2 minutos atrás
Pedra no rim, cálculo ou litíase renal
Pedra no rim, cálculo ou litíase renal

    Assine a nossa newsletter

    e tenha acesso aos nossos materiais educativos diretamente na sua caixa de e-mail. Basta preencher os campos abaixo:

    Litíase renal, ou nefrolitíase, é uma doença renal provocada pela ocorrência de formações endurecidas nos rins ou nas vias urinárias. Essas são chamadas de cálculos renais (mais conhecidos como pedras nos rins),os quais resultam do acúmulo de cristais presentes na urina do paciente.

    Neste artigo, mostramos as principais causas sintomas do problema, bem como de que maneira é feito seu diagnóstico. Além disso, reunimos dicas para preveni-lo e indicamos onde buscar ajuda especializada em Florianópolis, SC. Confira!

    O que é litíase renal?

    A litíase renal pode ocorrer nos rins, ureter, bexiga ou uretra. Ela acomete duas vezes mais homens do que mulheres e é recorrente. Por isso, sem o devido tratamento, em um intervalo de cinco a dez anos, cerca de 50% dos pacientes têm um segundo episódio da doença.

    Tipos de cálculos

    Existem diferentes tipos de cálculos urinários. Na maioria dos casos, trata-se de cálculos de cálcio (oxalato de cálcio ou fosfato de cálcio),mas também há cálculos de ácido úrico, estruvita e cistina. O mesmo paciente pode apresentar um único tipo ou cálculos mistos.

    Principais causas

    As causas dessas formações são diversas. Segundo os especialistas, são fatores ligados à litogênese:

    • volume insuficiente de urina (devido à baixa ingestão de água);
    • alimentação pobre em cálcio e rica em proteína animal e sódio;
    • distúrbios metabólicos (como hiperparatireoidismo primário, ligado ao metabolismo do cálcio);
    • infecções urinárias de repetição;
    • anormalidades anatômicas no trato urinário;
    • comorbidades (hipertensão, diabetes ou obesidade);
    • uso constante de certos medicamentos;
    • predisposição genética (histórico pessoal ou familiar de litíase renal) e
    • causas desconhecidas.

    Sintomas provocados

    Pacientes com cálculos costumam apresentar cólica renal (dor intensa, que começa nas costas e se irradia para o abdômen, seguindo em direção à virilha). Outro sinal comum é a hematúria (presença de sangue na urina) visível.

    No entanto, alguns pacientes têm sintomas genéricos. É o caso da alteração no jato urinário, dor abdominal, náuseas, vômitos ou, ainda, dor no pênis ou nos testículos.

    Existem, também, casos assintomáticos, os quais provocam apenas hematúria microscópica. Já quadros que apresentam febre piúria (presença de pus na urina) costumam ser associados à pielonefrite (infecção dos rins).

    Diagnóstico

    O diagnóstico da nefrolitíase se baseia no exame de urina e é confirmado pela tomografia computadorizada espiral sem contraste. Após a eliminação dos cálculos, inicia-se uma avaliação metabólica, com o objetivo de determinar as causas da litíase renal. Essa é composta por exames de urina, para a dosagem de creatinina, ácido úrico, cálcio, oxalato, cistina, fósforo, citrato e sódio, e exames de sangue.

    Uma dica importante é: quando houver risco de eliminar um cálculo, deve-se urinar em um filtro de papel. Quando capturado, deve-se levá-lo para análise laboratorial.

    Quais são os tratamentos para cálculo renal?

    Com o diagnóstico da nefrolitíase em mãos, o médico indica a estratégia de tratamento mais adequada. Os tratamentos para pedras nos rins podem ser:

    • analgésicos, realizados em episódios agudos;
    • medicamentosos, para ajudar a expelir cálculos menores do que 10 mm;
    • por litotripsia (ondas de choque) ou cirurgia endoscópica, para remover pedras nos rins maiores que 10 mm.

    Felizmente, boa parte dos cálculos renais é eliminada espontaneamente. A intervenção medicamentosa ou cirúrgica é necessária, apenas, para cerca de 20% dos casos.

    Já para prevenir a recorrência do problema, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) recomenda ingerir, no mínimo, 2,5 a 3 litros de água por dia. Além disso, é necessário manter o peso saudável e adotar uma alimentação equilibrada, que seja:

    • rica em fibras, potássio, citrato e fitato (presentes nas frutas, verduras, legumes, oleaginosas e cereais integrais);
    • normal em cálcio (existente no leite e em seus derivados, bem como nos vegetais verde-escuros e no tofu);
    • reduzida em sódio e em proteínas animais (contidos em carnes vermelhas, vísceras, miúdos, assim como alguns peixes, como atum, sardinha, salmão e cavala, bem como em mariscos).

    Como prevenir a formação de pedras nos rins?

    A principal forma de prevenir pedras nos rins é se hidratando. O Ministério da Saúde recomenda a ingestão de 2,5 a 3,7 litros de água por dia para homens e de 2 a 2,7 litros para mulheres. Essa quantidade se refere à água diária total, ou seja, tanto ao líquido tomado isoladamente, como o presente em alimentos e outras bebidas. Se achar mais fácil, vale a boa e velha orientação: beba, pelo menos, oito copos de água por dia.

    Ao mesmo tempo, deve-se praticar atividades físicas regularmente e adotar uma dieta balanceada, seguindo as orientações descritas anteriormente. Também é importante minimizar o consumo de bebidas alcoólicas diuréticas, como a cerveja, e não se automedicar.

    Onde tratar litíase renal em Florianópolis?

    Quem precisa acompanhar ou tratar a litíase renal em Florianópolis pode contar com a Clinirim. Aqui, reunimos um corpo clínico multidisciplinar, altamente capacitado, humanizado e experiente. Além disso, dispomos de uma infraestrutura completa, com equipamentos modernos e seguros. Para melhorar, estamos localizados na região central, o que facilita o acesso dos pacientes.

    Caso tenha alguma dúvida, entre em contato. Aproveite, também, para seguir-nos no Facebook e Instagram e veja mais dicas sobre a saúde dos rins!