Conteúdos

ARTIGO |

Nefropatia diabética: o que é, sintomas e tratamento

2 semanas atrás
Nefropatia diabética: o que é, sintomas e tratamento
Nefropatia diabética: o que é, sintomas e tratamento

    Assine a nossa newsletter

    e tenha acesso aos nossos materiais educativos diretamente na sua caixa de e-mail. Basta preencher os campos abaixo:

    Qualquer pessoa com diabetes, seja do tipo I ou II, tem risco aumentado para o desenvolvimento de doenças renais crônicas. A nefropatia diabética pode surgir de maneira assintomática, anos após o diagnóstico do diabetes. Silenciosa, danifica os rins de maneira irreversível, podendo levar a complicações graves e até ao óbito.

    Neste artigo, mostramos o que é a tal doença renal diabética (DRB) — nomenclatura adotada pela American Diabetes Association (ADA) e Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). Veja, também, como é o seu diagnóstico e tratamento.

    O que é nefropatia diabética?

    A nefropatia diabética ocorre por causa de uma alteração nos vasos sanguíneos dos rins. Essa leva à eliminação de proteínas pela urina, o que faz o órgão reduzir sua função, lenta e progressivamente. Se não controlada, a doença provoca a paralisação renal completa.

    Aliás, você sabia que o diabetes é uma das principais causas para a doença renal grave, a qual necessita de diálise? Segundo a Sociedade Brasileira de Nefrologia, 25% das pessoas com diabetes tipo I e entre 5 e 10% dos portadores do tipo II desenvolvem insuficiência renal.

    Como é feito o diagnóstico?

    A nefropatia diabética se caracteriza pela presença de proteinúria detectável e persistente, na maioria das vezes, associada à hipertensão arterial. Ela é definida:

    • pelo índice glicêmico (IgA) alterado;
    • pela presença glomerulonefrite membranosa (inflamação do glomérulo, região dos rins responsável por filtrar o sangue e formar a urina).

    Assim, a doença renal crônica é classificada com base nas taxas de excreção urinária de albumina e de filtração glomerular (TFG). Os estágios vão de TFG normal ou elevada (maior que 90 mL/min/1,73 m²) à insuficiência renal (TFG menor que 15).

    Quais são as consequências da doença?

    Os rins eliminam, por meio da urina, substâncias restantes do metabolismo que não têm utilidade e, ao mesmo tempo, mantêm as necessárias — como as proteínas. Acontece que pacientes com nefropatia diabética perdem a capacidade de fazer a filtração adequadamente.

    A albumina é uma das proteínas que, apesar do alto valor biológico, acaba sendo eliminada. Felizmente, é possível detectar o quadro (chamado microalbuminúria) precocemente e prevenir o avanço do problema.

    Como prevenir ou tratar a doença renal diabética?

    Para preveni-la, é imprescindível controlar a glicemia. A medida ajuda, inclusive, pacientes que já apresentam microalbuminúria. Isso porque, ao realizar exames de urina regularmente, pode-se detectar a perda de proteínas logo no início, interrompendo sua progressão.

    Outra providência essencial para evitar a complicação do quadro é o controle da pressão arterial. Além disso, deve-se:

    • controlar o colesterol;
    • adotar uma dieta balanceada;
    • usar medicações somente com a prescrição médica;
    • abandonar, definitivamente, o tabagismo.

    Em quadros de insuficiência renal avançada, no entanto, é preciso fazer hemodiálise ou até transplante renal.

    Quais são os sintomas da doença?

    Inicialmente, a nefropatia diabética não provoca sintomas. Mas, com o passar do tempo, a doença costuma deixar a urina espumosa. Outro sinal frequente é o aumento da pressão arterial.

    A boa notícia é que o diagnóstico da doença renal diabética é, relativamente, simples. Um exame de sangue, para averiguar as taxas de glicemia (níveis de açúcar no sangue),e um exame de urina, para fazer a dosagem de creatinina, são suficientes.

    Vale lembrar que a creatinina é considerada um marcador precoce de nefropatia diabética no diabetes tipo 1 e um marcador de desenvolvimento no tipo 2. Além disso, ela também indica se há risco aumentado para a doença cardiovascular ateroesclerótica (devido à formação de placas nas paredes e dentro das artérias).

    Como é o prognóstico da nefropatia diabética?

    O tratamento do diabetes é multidisciplinar, conduzido pelo clínico geral ou pelo endocrinologista e com participação do nutricionista e do educador físico. Mas, em caso de diagnóstico de nefropatia diabética, deve-se fazer o acompanhamento com um nefrologista, médico especialista em rins.

    Apesar do aumento da incidência do diabetes nos últimos anos, sobretudo do tipo 2, a doença renal diabética tem se mostrado estável. As associações médicas atribuem o feito:

    • a maior conscientização dos profissionais de saúde;
    • ao melhor controle da glicemia e da pressão arterial;
    • às recomendações para prevenção, detecção precoce e tratamento integral, conduzido por equipes multidisciplinares.

    Assim, para prevenir a nefropatia diabética, quem tem diabetes precisa controlar a doença, adotar um estilo de vida saudável e fazer o acompanhamento médico periódico. E, em caso de alterações suspeitas nos exames de rotina, deve-se procurar a orientação de um nefrologista o quanto antes.

    Ainda tem alguma dúvida sobre o assunto? Não se preocupe! Entre em contato para que possamos esclarecê-la!

    Além disso, aproveite para seguir a Clinirim no Facebook e Instagram e aprofunde seus conhecimentos quanto aos cuidados dos rins. Encontre, ainda, dicas que fazem bem para a saúde como um todo!